Lena Lustosa
"Escrevo por que não me basto..." Lena Lustosa
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Retalhos de vida


 
Genoveva não conseguia acreditar que aquela era sua festa de 90 anos, nunca  imaginou que viveria tanto, pois era a mais raquítica dos irmãos. A semana tinha sido cansativa e, especialmente naquela noite, estava saudosista,  pensativa e distante, embora fosse uma pessoa muito alegre, normalmente.

Os anos a conveceram que família "só serve pra brigar e tirar foto", mas nos últimos dias percebeu ainda mais a veracidade de tal afirmação irônica. Foi uma semana de muitas brigas entres seus familiares, as questões latentes não resolvidas, emergiram todas em forma de "picuinhas", indo desde a elaboração da lista dos convidados ao tipo de talheres a serem usados na festa. A lista foi complicada, pois todos os amigos que pretendia convidar foram excluídos por um motivo insuperável: estavam mortos.

Sentia-se como se fosse uma aberração da natureza por ainda estar viva, enquanto alguns dos seus filhos e sobrinhos, muito mais moços que ela, já tinha feito a jornada. Nesse instante, tocou nos cabelos endurecidos pelo "laquê "e lembrou-se que tinha passado a tarde num salão se arrumando, não entendia o porquê de pagar tão caro para colocarem uma "goma" nos cabelos que os deixavam duros parecendo um robô.

Mas, a tristeza que sentia era por causa da lembrança constante de sua irmã Gertrude. Talvez estivesse prestes a morrer, pois dizem que ficar lembrando de pessoas mortas é sinal que tem defunto novo na área, com certeza a próxima seria ela. Já era tempo, o remorso a corroía, relebrando como fora injusta com sua irmã.

Gertrude ficou viúva com 65 anos de idade, não teve filhos, pois o marido era infértil por causa de uma caxumba mal tratada, contudo, para não contrariá-lo, dizia a todos que o problema era com ela. Foi um casamento bem sucedido em amealhar riquezas, mas triste em sentimentos. Após a morte do marido,  Gertrude conheceu um jovem e promissor advogado, no auge dos seus 25 anos de idade, enquanto ela já beirava a casa dos 70 anos, com o qual se casou, apesar dos protestos de toda a família, que acusaram-na de louca, tentaram até mesmo interditá-la judicialmente.

Genoveva afastou-se da irmã, nunca mais a visitou, mesmo quando esteve com câncer. Nunca achou que Amarildo tenha se casado por amor, provavelmente tenha sido pelo dinheiro, pelos milhões em terras e gado que a irmã possuía. No entanto, que direito tinha de não aceitar as escolhas da irmã? Mesmo porque os protestos da família tinham o mesmo motivo - financeiro-, a verdade, era que quase ninguém se importava realmente com Gê, como carinhosamente a chamavam.

Por interesse ou não, Gê também se deu bem, pois teve um jovem atencioso e cuidadoso ao seu lado enquanto se recuperava da doença. Ele também se sacrificou, pois renunciou à paternidade e dedicou-se a aumentar o patrimônio da esposa e, ao contrário do imaginado, o casamento durou 33 anos, pois Gê viveu até os 103 anos de idade, sendo bem cuidada por ele.

Hoje, arrependia – se de não ter apoiado a irmã, agora sabia que é melhor ter um amor por interesse que a solidão gratuita da velhice. Uma pena que a sabedoria demore tanto a chegar e se chegar, pode ser tarde demais para alguns, pois já não dá mais tempo pra nada.

A festa continuava, já estava cansada com a sessão de fotos. Pediu para descansar um pouco. Olhou e viu uma amiga, uma das únicas que ainda estava viva, acompanhada pela filha. Dirigiu-se até ela para cumprimentá-la. A filha explicou-lhe logo que D. Marizia estava com um pouco de Alzheimer, o que foi percebido por todos logo em seguida, pois esta começou a reclamar que o padre estava demorando demais a começar o casamento, que a noiva já estava cansada.

Nesse momento, Genoveva sorriu e percebeu que ela estava no "lucro", pois ainda continuava firme e lúcida. Depois desse episódio se permitiu aproveitar a festa, colocou um sorriso sincero no rosto e deixou fluir, mas internamente, estava com o firme propósito de que iria procurar pelo viúvo da sua irmã brevemente, pois queria saber como ele estava.

No dia seguinte, Genoveva acordou cedo e foi caminhar como sempre fazia. Ao descer os degraus da calçada encontrou-se com seu vizinho Ernandes que já perguntou logo por que não tinha sido convidado para a festa, pois pretendia dar-lhe um bode de presente.

Genoveva já descansada e bem humorada disse-lhe:
_ Não deu pra convidar todos os amigos, mas não se preocupe que você será o primeiro convidado na minha festa de cem anos. Virou-se e continuou sua caminhada lentamente.

Ernandes ficou pensado: Que velha louca! Acha que vai viver mais 10 anos, nem ela e nem o bode! Eu hein! É cada coisa que escuto.


Excerto do livro "Retalhos", ainda não terminado.
Lena Lustosa
Enviado por Lena Lustosa em 10/05/2018
Alterado em 10/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários