Lena Lustosa
CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos



Direito à maternidade 

 
Deus ou a natureza seletiva (a depender de sua crença) poderia ter feito a humanidade se reproduzir de diferentes maneiras, como se dá com alguns animais, que já nascem independentes de suas mães, porém, escolheu nos dar mães.

Parece ter escolhido o processo mais complicado, pois o ser humano é altamente dependente; há uma gestação longa – nove meses-, passa-se por um período de amamentação prolongada, dependendo da cultura dura anos, e nos primeiros anos de vida, precisa-se aprender a falar e a andar. Mas, não termina por aí, pois pelo resto da vida o “cordão umbilical” não se parte entre mãe e filho.

A maternidade não se resume a “parir”, mas em acompanhar o filho pelo resto da vida e,  há ainda,  quem sustente a presença da mãe mesmo após morte, pois a lembrança de uma mãe morta é de vida. O amor entre mãe e filho é construído nessa ligação de dependência e renúncia - a maternidade transforma o mundo e o corpo de uma mulher, tem um “antes” e um eterno “depois”. Quem não tem a capacidade de se renunciar, não deveria ter filhos.

Há quem defenda que o ser humano, inconscientemente, alimenta o desejo de retorno ao ventre materno na busca por um renascimento, pois a ideia de mãe está intrinsecamente ligada àquela que é fonte de vida, que ampara, sustenta, acompanha, alimenta e dá aconchego.

A expressão ”filho de chocadeira” refere-se ao individuo que não passou por todo esse processo de formação, tão necessário ao pleno desenvolvimento da personalidade humana, carregada de sentimentos, construídos nessa relação mãe e filho. Assim, passou-se a identificar o individuo sem sentimentos.

Quem vê a maternidade como um direito da mulher, sem aceitá-la como merecedora de proteção especial e diferenciada, vendo esses direitos como um privilégio concedido às mulheres, não entendeu ainda que a maternidade é um direito da humanidade e não da mulher em si, pois pode até existir filhos sem mães, mas não passarão de “filhos de chocadeiras”.

 
Nota da autora: O texto foi produzido num contexto especifico de discussões sobre os direitos das mulheres. Ressalto que respeito o direito dos pais que, mesmo sem ter gestado, desempenham um importante papel  na vida de seus filhos, suprindo os com o amor necessário para o desenvolvimento de uma personalidade saudável. A imagem é minha demonstração de repúdio ao uso de algemas durante o trabalho de parto, enquanto que a lei não permite se algemar políticos corruptos.
Lena Lustosa
Enviado por Lena Lustosa em 13/05/2018
Alterado em 13/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários