Lena Lustosa
"Escrevo por que não me basto..." Lena Lustosa
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


O autoengano.
 
 
“Não desperte o escravo porque talvez ele esteja sonhando que é livre”. Mas, o sábio dirá: “Desperte o escravo! Especialmente se sonha com a liberdade. Se despertar e perceber que ainda é um escravo, talvez possa se libertar”. Provérbio Árabe
 

 
 
Dizem que uma mentira dita mil vezes se torna verdade.  Alguns acreditam tanto  nisso que  insistem numa mentira que contraria a lógica dos fatos. Autoengano é aceitarmos somente aquilo que nos convém. São muitas as mentiras que contamos a nós mesmos: a pessoa sabe que as coisas não estão bem, que não tem o emprego dos sonhos, o casamento perfeito, a conta bancária desejada e que os filhos não são exatamente como pensa. Mas, cria-se uma falsa realidade para fugir disso tudo.
 
É um subterfúgio da consciência, ao inverter os acontecimentos para não enfrentar a realidade, uma espécie de negação. Daí, "castelos de areia" são construídos, através do autoconvencimento de  uma falsa realidade, para superar o que acontece fora do Script - daquilo que foi idealizado, pois a vida não tem roteiro imutável. Contudo, um dia, talvez, a pessoa tenha que enfrentar a si mesma.
 
O autoengano ocorre em qualquer segmento da vida das pessoas. São muitas situações, por exemplo, num relacionamento amoroso inconsistente, já vazio de sentimento e satisfação, mas que se mantém por comodismo ou medo de sofrer; na política - mesmo diante da certeza dos fatos -, prefere-se não acreditar neles para não frustrar as próprias convicções; um caso clássico de autoengano é do  alcoólatra que diz que deixa de beber quando quiser. 
 
É um mecanismo complexo, primeiro convence-se a si mesmo, depois aos demais. O autoengano é mais presente do que se imagina. No atual momento que vivemos -  alguém tem que levar a culpa por tudo- , é comum se lançar mão do autoengano para justificar os próprios fracassos culpando os outros; vivemos a era de atribuir responsabilidades a um terceiro - "todos podem ser culpados menos eu".
 
É a mãe, que diante de tudo que o filho apronta, a culpa é sempre das outras crianças, quando o filho pratica um ato ilícito, a culpa é dos outros que levaram seu filho para o mau caminho; o  homem levou um "chifre", mas não deixa a mulher por causa dos filhos, ou ainda, a mulher traída que coloca a culpa na outra  isentando o marido. São paliativos para evitar a perda da vida idealizada. O problema é que o autoengano pode roubar a pessoa de si mesma, da oportunidade de viver plenamente enquanto não encarar que tem um problema e precisa ser resolvido. Não raro, muitas  mães só percebem os problemas dos filhos quando é tarde demais.
 
Enfim, cada um busca sobreviver como pode quando tudo está ou já desmoronou. Apega-se à felicidade inexistente para fugir da realidade, pois, a ilusão da realidade é menos  cruel que a própria realidade, às vezes. O imaginado e nunca concretizado,  pelo autoengano, torna-se real para a pessoa, que sofre menos com a desilusão, as incertezas da vida e as mudanças. Assim, a  vida  continua, desde que ninguém desperte a consciência adormecida  dentro de um castelo de areias.
 

Imagem do Google
 
Lena Lustosa
Enviado por Lena Lustosa em 21/09/2018
Alterado em 21/09/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários