Lena Lustosa
"Escrevo por que não me basto..." Lena Lustosa
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

 
Vida e fósforos
 
 
 
 
"Que tolo e inútil é o fósforo". Eles disseram. "Queima a própria cabeça por uns segundos de fogo". Um tolo é quem pensa assim, eu acho. Não entendem nada do jogo. Inútil é ser trancado em uma caixa. Até o tempo o fazer morrer. Sem saber o que é luz. Sem saber o que é brilhar. Sem saber o que é arder”  (Clarice Freire)

 
 
Nossa ambiguidade nos leva a querer viver intensamente, sem, contudo, aceitarmos as consequências naturais do viver. Às vezes, queremos que a dor não nos alcance, ou, quando ela chega, bate aquele arrependimento pelo sofrimento momentâneo por tudo que se viveu ou deixou de viver.
 
Há quem se olhe e perceba que fez tudo conforme as regras:  formou - se, arrumou emprego, constituiu família e conseguiu estabilidade financeira e patrimônio. Enfim, seguiu tudo que se esperava daquela pessoa, mas, ainda assim, há uma chama que não quer calar, que insiste em dizer que você fez tudo certo, mas não está feliz, que falta algo. E, escolher seguir as regras é ruim? Não, claro que não! A maioria vive assim. Só não  há certezas, seguindo ou não.
 
 
Há onze anos, visitei um amigo que estava morrendo no leito de um hospital. Esperava encontrá-lo decaído, arrependido e se sentindo injustiçado pelos muitos revezes que sua vida tinha sofrido nos últimos meses. À época, eu estava vivendo um turbilhão de emoções – havia uma porta entreaberta para mim. Eu tinha a possibilidade de continuar com a segurança e tranquilidade de uma situação cômoda ou arriscar-me em algo incerto. A decisão de adentrar ou não era só minha e, aquela visita, me fez tomar a decisão mais acertada da minha vida. Resolvi me queimar, saltar na incerteza, sem rede de proteção.
 
Nessa última conversa, enquanto ele agonizava em seu leito, disse-me que as lembranças do que tinha vivido era a melhor parte do seu dia, mesmo tendo certeza que seu modo de viver o tinha colocado naquela situação. Confiante, confessou-me  que faria tudo de novo, pois foi a melhor parte de sua vida, sem aqueles anos, ele não teria tido vida.
 
 
Hoje, eu ainda daria aquele mesmo salto no escuro. Por outro lado, trago meus arrependimento pelas muitas coisas que deixei de viver, pelas vezes que o cavalo passou selado e não montei por medo, pois sou simplesmente humana. Confesso que amedronta- me chegar aos instantes finais e não ter sido íntegra e verdadeira em tudo que tenha feito e, principalmente, não ter vivido. Quero que meu atestado de óbito ateste minha morte por completo, pois tem muito  "vivo" que só falta decretarem o óbito. Quantidade de anos, nem sempre significa quantidade de vida.
 
Sei que nem todos somos fósforos. Alguns, para sua própria proteção, preferem durar uma eternidade na caixinha, na garantia de ficarem ali guardados, sem que nada os incomodem.  Outros, assim como o fósforo, preferem se queimar para saberem a cor da LUZ, o Brilho do sol e o ARDER dos corpos, seja num ato de amor ou no simples contemplar da vida.
 
E, novamente me vejo diante de muitas mudanças, nesse momento,  as palavras de Guimarães Rosa ecoam em mim: “Viver é perigoso”, mas, como não correr perigo, se não há vida fora dele? Se minhas escolhas serão boas ou ruins, só saberei tentando. Enquanto houver uma porta entreaberta, adentrar ou não é uma opção. Sei apenas que é preciso se queimar para saber o que tem por trás dessa porta entreaberta! Isso tem!
Lena Lustosa
Enviado por Lena Lustosa em 02/11/2018
Alterado em 02/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários